Não é fácil ser mãe gorda

Ser gorda nunca foi fácil – e parece que nunca vai ser – em uma sociedade que ainda justifica gordofobia com falsa preocupação com a saúde. Ser mãe também nunca foi – e também nunca será – outra tarefa fácil na mesma sociedade que condena a mulher que não quer ter filhos mas adora condenar as mães por qualquer coisa que seja. Agora experimenta ser as duas. Pois é… Eu sempre gostei de uns desafios…

 

Quando se é mãe, pessoas conhecidas e desconhecidas esperam – por algum motivo que não se sabe o qual – que você transforme seu filho no melhor ser humano do mundo. Isso, claro, sem qualquer esforço por parte dos adultos, de serem meramente bons seres humanos, que dirá os melhores do mundo.

Eles querem que seus filhos fiquem quietinhos em tempo integral no cinema em uma sessão de filme infantil enquanto eles entram em casal para dar uns amassos nas cadeiras de namorados. Eles querem que seus filhos sejam verdadeiros lordes da high society enquanto eles riem e falam alto bêbados num restaurante. Eles querem que criança nenhuma fale palavrão enquanto eles mesmos têm na ponta da língua uma cartilha em ordem alfabética e separados por ocasião se precisarem. Como podem ver, adultos não se comportam, mas se os seus filhos não se comportarem, aí eles viram “pequenos demônios” e você uma “mãe irresponsável”.

pestinha
Vai cagar

Sobre ser gorda, as pessoas com suas desculpinhas ainda nos enxergam de forma bastante irresponsável. Na verdade, elas transferem a irresponsabilidade do preconceito delas para a nossa vida e acham que nós somos as irresponsáveis por sermos quem somos. Para elas, é irresponsabilidade ser gorda, mas não entrar em dietas restritivas sem acompanhamento médico, de preferência vistas em revistas de alta circulação cheias de mensagens que dizem ser positivas, mas que na verdade são mais uma pressão para emagrecer. Para elas, é irresponsabilidade estar “acima do peso” (que peso? Quem é que fez essa tabela? E como fez?), mas não se entupir de remédios, anfetaminas, sintéticos, anabolizantes, tudo em prol de um corpo “malhado”. Para elas é irresponsabilidade usar acima de 50, mas não incentivar transtornos alimentares, cirurgias invasivas e outras práticas que levam pessoas à morte. Este é um mundo de irresponsabilidades e hipocrisia que já foi desmascarado, mas as pessoas acham insistem nos mesmos erros.

remedios

Ser uma mãe gorda é ter a vida 200 horas por dia vigiada (porque tempo de mãe é diferente pra quem não sabe). É ser analisada por estranhos na rua sobre o que seu filho está fazendo, sobre o que ele está comendo, sobre como você está lidando com as birras, sobre se você cedeu ao sorvete que ele queria ou não. E se for mãe de meninas então, a coisa só piora.

baby
Para menina: “Eu odeio minhas coxas” Para menino: “Eu sou super”

Porque mulher desde cedo precisa “se cuidar” (AKA emagrecer) né? “Mulher pra ficar bonita tem que sofrer”. “Mulher que está satisfeita com seu corpo está com preguiça de mudar”. A mulher nunca em hipótese alguma deve ser feliz consigo mesma. E isso cabe à mãe ensinar a filha, caso contrário seria irresponsabilidade. Onde já se viu uma mãe ensinar amor próprio para a própria filha? Onde já se viu uma menina nova se aceitar como ela é? Especialmente se ela não for magra e tiver os cabelos lisos como as princesas da Disney. ONDE JÁ SE VIU? QUE HORROR! SHAME! SHAME! SHAME!

shame

Estamos no meio do ano de 2016, em plena era da desconstrução, e as coisas estão mudando lentamente para nós gordas. Ainda temos letras de músicas tentando dizer o quão foda os homens são por aceitarem namorar uma gorda – aquela que ninguém quer – temos várias blogueiras que eram do meio plus size emagrecendo e “incentivando” as leitoras a fazerem isso (ou seja, não querem mais representar ok, mas falar que elas podem/conseguem AKA devem? Isso TODO MUNDO já faz). Realmente é difícil acreditar em mudanças.

Se você é mãe, é gorda e sofre com esse julgamento todo em cima, sinta-se abraçada pois você não é a única.

abraço
Bem vinda ao mundo real. É uma droga. Você vai amar!

Julgar a mãe todo mundo quer, mas pagar as contas ninguém quer. Criticar o comportamento todo mundo quer, mas olhar a criança pra ela comer a comida quente, ninguém quer. Condenar a mãe todo mundo quer, mas dar um vale night pra mãe sair com as amigas ou ter uma noite quente de sexo com o marido/namorado, ninguém quer. Isso porque ninguém quer ter responsabilidade, mas esquecem a responsabilidade na hora de sair falando nas nossas orelhas como se a pressão social + os afazeres do dia a dia já não fossem mais do que muita gente aguentaria e nós aguentamos sorrindo (mas se estivermos mostrando demais os dentes, provavelmente queremos te morder. Fique atento).

Hoje em dia a maior dificuldade das mães gordas – especialmente de meninas – é ensinar que elas não devem ficar caindo na neura das dietas restritivas. Que isso pode prejudicar a saúde delas. Que elas são maravilhosas como são, sejam magras ou gordas, tenham cabelos loiros, ruivos ou morenos, sejam lisas, crespas ou cacheadas, sejam elas altas ou baixas.

Se conseguirmos, apesar dessa pressão toda em cima de nós, como mães, como gordas, ensinar nossas filhas que elas não precisam mudar quem são para agradar ninguém. Que se alguém exige que elas mudem seu corpo para que elas sejam amadas, essa pessoa não as merece. Que não somos contra o emagrecimento, mas que ele deve ser feito de forma responsável, eletiva, acompanhado por médicos que não coloquem a estética à frente da saúde, que remédios, cirurgias e sintéticos prejudicam muito mais a saúde do que qualquer doença que possa estar relacionada à gordura e podem levar à morte, que ser magra não é sinônimo de felicidade e que elas serão muito mais felizes se amando do jeito que são, então teremos feito o melhor trabalho possível como mães.

A todas as mães gordas do mundo deixo aqui todo o meu amor ❤

Até a próxima!

Anúncios

2 comentários

  1. Lika, amei seu texto! É tudo isso que vc falou e muito mais! Antes de engravidar as gordas sofrem pressão tbm! “Nossa vc precisa perder peso senão vai ter gravidez de risco”
    Já ouvi inclusive relatos de médicos que não quiseram fazer o pré natal de paciente gorda! A pressão social é muito grande. Existe um tsunami que teremos que atravessar pra acabar com todo este preconceito. Mas vamos lá!!!!

    Curtido por 1 pessoa

    • Passei por isso na minha gestação também, pessoas falando que eu ia entrar em pré-eclâmpsia. Sofri uma violência obstétrica enorme. Empoderando as próximas gerações vamos conseguir acabar com isso ❤

      Curtir

Os comentários estão desativados.