A música da “Gordinha”

Eu evitei ao máximo a música “Gordinha” porque já sabia que daí não sairia nada de bom. Mas como eu sou conhecida pela page e pelo ativismo gordo, não tive como escapar. Antes de começar a falar sobre isso, permita-me um palavrão: AI MEU CU. ¬¬”

rebel nhe
Nem sempre esse trabalho é fácil

Já sabemos que, de 100% das vezes que alguém tenta “elogiar” as gordas em obras musicais, 99,99% das vezes o tiro sai pela culatra. Temos nesse exemplo Roberto Carlos com aquela musiquinha muito mala (e que vem com as ondas de lamber o cara porque ele é dietético), Megan Trainor (que não é gorda, usando o que deveria ser empoderamento de uma forma toda errada) e outros diversos exemplos por aí que não vale a pena ficar listando. Mas como eu sou uma pessoa muito esperançosa, não disse que 100% saiu errado porque acho que um dia vou encontrar uma obra que acertou o ponto. Até lá, fico no sonho.

Falando sobre a música de Cesar Menotti e Fabiano, a letra é completamente cheeeeeeia de erros. Aqui no post do Não Sou Exposição – que particularmente acompanho com muito amor o trabalho da Paco – ela dá os detalhes da música. Aqui vou falar de um modo mais geral.

A letra já começa errando feio falando de homem pra homem sobre os padrões que eles exigem que um corpo feminino tenha, geralmente moldado por uma mídia e uma indústria pornográfica que objetifica os corpos femininos. Percebam que o cenário que a música pinta é de um homem transformando sua “gordinha” em um troféu. Um prêmio por ele ser descoladão, desconstruidão, o diferentão que gosta daquilo que ninguém mais gosta. Merece até uma estátua em bronze o bom samaritano.

Ele sai falando que não faz o tipo de mulher, só que ele se esquece que mulheres são TODAS diferentes. Até as gordas são diferentes, não feitas em um molde gordo só. Mesmo gêmeas são diferentes, ok? Isso porque mulher não é só a aparência, a embalagem como somos vendidas há ANOS. Somos dotadas de personalidade, de vontades, de sabedoria, de conhecimento, de história pessoal. Somos PESSOAS, seres humanos. Vamos lembrar disso por mais que a mídia torne isso difícil, ok?

Como se não bastasse essa objetificação, essa padronização que só existe na mídia e na imaginação masculina, eles ca(rre)gam um mundo de gordofobia falando que ela não anda, não malha, não corre, não vai para a academia… No mínimo eles acham que gorda deve aparatar pra ir de um lado a outro né?

Já estamos CANSADAS de falar que existe muita gorda que se exercita, que tem uma alimentação super saudável, que não tem nenhum problema hormonal e que mesmo assim é GORDA. E isso por que???? Adivinha??? PORQUE GORDA É UM TIPO FÍSICO.

Muitas gordas chegam a fazer cirurgias, reduzir drasticamente a alimentação, colocar a saúde em risco, apenas para pertencer a outro tipo físico, um mais aceito pela sociedade, o corpo magro. E isso não é saúde. É pura estética.

Abaixo a magia das gordas que fazem exercícios (OOOOOHHHHH)!!!

 

Continuando com a obra de arte *ironia*, ele diz que ela se cuida como pode sabe. Tipo assim, meia boca. Até que ela passa uma maquiagem, compra umas roupas fashion e tals. Porque nenhuma gorda se cuida TÃO BEM quanto uma magra. Não é mesmo? Nenhuma gorda é tão estilosa, tão maravilhosa quanto qualquer pessoa magra porque a magra já é naturalmente maravilhosa, mas a gorda, tadinha, se cuida como pode…

bullshit
TEU CU

 

Agora, a coroação dessa sensacional amostra da música brasileira *ironia de novo* é isso aqui ó:

Ela é gordinha mas é minha, eu não troco por nada
Quando sai comigo ela arrasa na balada
Ela é gordinha mas é minha, tem gente querendo
Olha que sucesso minha gordinha tá fazendo

Meu caro, essa gorda não é sua. Ela não é uma camisa, uma almofada, uma boneca pra ser sua. Ela é dela mesma e de mais ninguém nessa vida. Ela é a única dona, proprietária, chefe da vida dela. Você, colega, não é dono dela. Não é proprietário. Não é nada dela que ela não permita. E diga-se de passagem que você deveria trocar esse seu modo machista de ver as mulheres por NOÇÃO, ok?

Uma das maiores lutas que temos é contra a fetichização e objetificação da mulher gorda. A mulher gorda não é um prêmio de consolação ou um artefato pra você sair exibindo por aí. Mulheres têm sentimentos. Mulheres merecem respeito. Mulheres são seres humanos. E por acaso GORDAS SÃO MULHERES, VIU?

Mais um dia com a gordofobia nossa de cada dia, feita por homens que objetificam, fetichizam e se esquecem do básico: respeitar as mulheres.

Um dia espero que isso tudo não passe de uma lembrança de uma cultura vergonhosa no passado. De resto vamos lutando…

Anúncios

5 comentários

  1. Palavras dignas de alguém com sensibilidade! Esse processo de objetificação da mulher, vem transformando a mulher num premio, onde a escolha delas mesmas estão ficando em segundo plano, na tentativa de agradar ou de entrar nos padrões de homens e/ou pessoas que tem uma receita pronta, uma carta mágica que como devemos ser, como devemos nos comportar e o pior de todos em qual manequim devemos caber” A frase mais linda ” No mínimo eles acham que gorda deve aparatar pra ir de um lado a outro né?”

    Curtido por 1 pessoa

  2. Realmente parece piada.
    Esses “”sertanejos”” para se manterem na mídia encaram as modinhas do momento, hipocrisia pura, tudo bem eles são gordinhos, mas as mulheres deles NÃO são gordas, pelo contrário, elas são magras 🙂

    Curtido por 1 pessoa

Os comentários estão desativados.