Ser poderosa não quer dizer nunca mais se preocupar com nada

Ontem, pela primeira vez em mais de 6 anos, eu comprei pra mim uma calça jeans.

Há pouco mais de 6 anos troquei definitivamente as calças jeans por legging. Como eu não o tinha qualquer resquício de aceitação do meu corpo gordo, a tendência era apelar por roupas confortáveis que não marcassem. Era a tentativa eterna de me esconder com medo do que as outras pessoas pensariam sobre o meu corpo, assim como a maioria das pessoas gordas um dia passa por estes pensamentos.

Mas já tem uns dias que eu estou querendo MUITO uma calça estilo boyfriend cheia de rasgos e, como sempre, não encontro em lojas convencionais nada acima do 46. E ontem foi o dia em que eu empaquei em uma loja e decidi que pelo menos tentaria encontrar um jeans para mim.

Depois de revirar todas as calças e não achar nada acima do 46, uma consultora me abordou e perguntou se eu precisava de ajuda e então eu disse que queria apenas uma calça jeans de cintura média ou alta acima do 46. Ela então disse para eu aguardar que ela checaria no estoque e eu aguardei. Muito. Quando eu achei que ela mesma já tinha desistido, vi que a espera compensou: lá vinha a moça com duas calças nas mãos, uma no estilo que eu queria – embora fosse skinny e não boyfriend. E ela disse que eram duas 48 (uma com diferença de 3 dedos para a outra então peguei a maior que, por sorte, era como eu queria). O número ficou martelando na cabeça, mas como a Polly do Lugar de mulher me ensinou neste post: PROVE TUDO. Uma etiqueta é apenas uma etiqueta.

Eu, como 52/54, entrei disposta a tentar comprar aquela calça achando que sim, ela ia colaborar comigo.Eu até falei “Amiga, você quer sair daqui que eu sei. Chega de passar por todas essas bundas na sua vida e nenhuma ficar. Então se quiser ser só da minha bunda até que seu desgaste nos separe, por favor sirva direitinho”. E não é que entramos num acordo? Ela serviu! AEEEEE!!! But… Wait a minute… Algo ali estava errado… Sim, ela. A minha velha companheira, a pancinha (que particularmente aumentou depois da gestação).

rae
POR QUE VOCÊ EXISTE?

Eu fiquei olhando pra calça, olhei pra mim, olhei pra pancinha, pro avental, pra como quer que chamem. Achei que era uma besteira, uma idiotice comprar aquela calça. Fiquei com raiva e finalmente me lembrei por que eu não comprava calças jeans há muito tempo.

Felizmente meus segundos de desespero passaram e eu lembrei: eu, uma gorda poderosa, que tem uma página que ensina mais de 22 mil pessoas a se amarem e se respeitarem como são, a não ter vergonha de seus corpos, estava ali enfrentando sozinha um dos meus maiores preconceitos contra o meu corpo. Eu, que passo horas admirando as fotos de gordas que mostram suas marcas com todo aquele empoderamento, achando seus corpos lindos, achando sua autoestima empoderadora, que sigo diversos Instagrams me preparando justamente para este momento, estava a um passo de decidir: continuo com esse preconceito contra meu corpo ou finalmente venço? Bem… Fico feliz de contar que eu venci e que a calça me custou R$ 69,90 (o que é um preço maravilhoso por sinal) ao invés de R$ 300,00 como a indústria abusiva de moda plus size cobra pra gente não andar pelada.

rebel.gif

Não vou dizer que a prova maior desse meu desafio passou. Eu ainda tenho que enfrentar uma festa de aniversário infantil – que significa adultos sóbrios julgando você e sua solteirice – e conseguir arrasar nessa festa. Mas é justamente isso que o empoderamento me deu: a coragem de enfrentar meus próprios desafios para cada dia me amar mais e mais.

Muitas pessoas me dizem que são empoderadas mas que um dia choraram porque alguém disse algo ruim, ou porque foram dispensadas pelo boy porque são gordas, esse tipo de coisa escrota que acontece com as pessoas. E eu digo pra vocês: tudo bem.

Tudo bem se sentir mal, chorar, ficar chateada quando alguém é escrota com você. Você não é obrigada a nada, nem a estar bem todos os dias da sua vida. Tem coisas que sim, afetam a gente. E todos somos seres humanos sencientes, ou seja, sentimos as coisas, de modos diferentes, em graus diferentes, com intensidades diferentes. Você não deixa de ser poderosa só porque você é um ser humano e sentiu algo.

Guardem isso para a vida:

EMPODERAMENTO NÃO SIGNIFICA VOCÊ NUNCA MAIS SE IMPORTAR COM NADA, MAS SIGNIFICA SABER COMO LIDAR COM OS DESAFIOS E CONSEGUIR SEGUIR EM FRENTE MESMO DEPOIS DE FICAR MAL COM ALGUMA COISA.

O preconceito de uma sociedade é como um exército de monstros horríveis indo contra você e o seu empoderamento é a sua espada e o seu escudo que você vai usando enquanto vai contra todos eles. Você pode sim sofrer alguns golpes, mas isso não significa que você vai sucumbir.

A qualquer momento que você sentir que foi fraca, que não deu uma resposta merecida ou qualquer coisa assim, não se julgue nem se cobre. Apenas se ame. Abrace a si mesma. É isso que o amor próprio faz com a gente.

Um ótimo fim de semana ❤

 

Anúncios