Ser gordo por problemas hormonais tudo bem… – ATUALIZADO

Fico impressionada com a quantidade de vezes que eu ouço um “Ser gorda por problemas hormonais/tireóide/o que for, tudo bem. Mas ser gordo por opção, não concordo”.

O mais engraçado é que essa frase sempre vem de uma pessoa magra, daquelas que nunca foram gordas na vida e que têm um problema enorme em sair da caixinha de onde vive e ganhar um pouco de empatia pelas pessoas. Acontece, caro amigo magro, que você não tem que concordar ou discordar de absolutamente nada que não se refira à sua própria vida.

Já sabemos que o discurso de saúde é a maior lorota contada pelos gordofóbicos, uma vez que muitos são fumantes e ingerem álcool para diversão – alguns se divertem muito diariamente – e ninguém se dispõe a pagar o boleto do plano de saúde. Então sim, é preconceito com um disfarce pior do que Preciso lavar o cabelo quando a mina não está afim de sair com um cara. Sorry, gotcha!

O que é realmente estranho é que a saúde do gordo parece ser uma propriedade pública. E pior, as pessoas acham mesmo que têm que concordar ou discordar de alguma coisa.

“Eu compreendo que existem problemas hormonais e ser gordo por causa disso tudo bem. Mas eu não concordo com pessoas que escolhem ser gordas”. Ai ai ai

facepalm
100-ôr

Amigo, você acha MESMO que alguém escolhe ser gordo. Que alguém olha esse preconceito todo e fala “Putz que legal! Quero ser gorda!”. Não, coleguinha, não mesmo.

Nascemos e crescemos em uma sociedade que nos ensina que só atingiremos a felicidade e a plenitude se formos magras. Uma sociedade onde diariamente lutamos para ir do ponto A ao ponto B sem ser alvo de chacota – ou mesmo violência – de algum estranho no meio da rua. Vamos para escolas que, durante a fase mais crítica da nossa formação, a adolescência, as pessoas são cretinas conosco, nos expondo, nos diminuindo, nos execrando, nos humilhando pelo simples fato de sermos gordas.

Vivemos em uma sociedade que mostra que não cabemos aqui. Uma sociedade onde parques de diversão não estão preparados para levarmos nossos filhos, roletas não estão preparadas para passarmos, executivos famosos incentivam outros executivos a não empregar pessoas gordas porque obviamente são pessoas sem controle e preguiçosas. Onde perdemos vagas de emprego público depois de passar por 3 fases e mostrar nossa capacidade, apenas por puro preconceito. Em uma sociedade que somos xingadas por ter direito a um banco prioritário e as pessoas além de desrespeitarem esse direito, ainda nos humilham e culpam por isso. Uma sociedade onde você só quer almoçar tranquila e vem um ser humano caindo do nada na sua frente e fazendo uma análise crítica e um sermão sobre cada item no seu prato. Pessoas que te batem apenas por você ser gorda. Lojas que você entra no provador e ouve a vendedora cochichando para a outra “Nossa, será que ela entalou no vestido?”. Uma sociedade que nos maltrata apenas por causa de uma característica física. Ninguém escolhe ser gordo. Não tem um menu onde você clica e seleciona GORDA ou MAGRA. Isso não é The Sims, é vida real.

A sociedade promove a gordofobia juntamente com diversas indústrias que lucram com a baixa autoestima porque são pessoas preocupadas apenas com o próprio bolso. Ninguém está realmente interessado em você. Até mesmo a moda plus size apresenta um enorme preconceito, nos mostrando uma roupa vestida numa modelo 46 e com uma tag “TEMOS ATÉ 60”. Então por que não coloca uma modelo 60? Porque TEM SIM! A nossa própria indústria nos diz que nosso dinheiro serve para eles, mas nossos corpos não. Que tipo de tratamento é esse?

Muitas vezes enfrentamos a gordofobia dentro de casa. Nossas mães falam que temos que emagrecer senão ninguém quer. Não sou produto para alguém ter que querer. Muitas vezes fazemos loucuras como tomar remédios ilegais apenas para emagrecer. E muitas de nós morremos em prol de um padrão que jamais será atingido porque é tudo falso, é Photoshop!

Não escolhemos ser gordas, mas podemos escolher nos amar assim. Podemos entender que somos normais, que existe gente que quer um relacionamento além da casca, que nos admira como somos e por quem somos, que somos lindas assim e não há quem nos faça mudar de ideia.

Cada vez que você fala com o que você concorda ou não, entenda, isso não tem nada a ver com você, mas com a gente. E a sua opinião, meu bem, nem é uma opinião. É apenas um discurso preconceituoso que precisa ser erradicado.

Beijuxxgg ❤


ATUALIZAÇÃO

Recebemos um comentário incrível de uma leitora que precisamos concordar.

Eu escolhi ser gorda! Eu poderia ter escolhido ser magra e suar manhãs inteiras para ir contra minha predisposição física e biológica em acumular mais gordura. Mas não, eu me gosto assim! Eu escolhia ser assim e consequentemente ter que enfrentar a cultura vigente se endeusamento de pessoas magras. Repito! Eu escolhi ser gorda, só não escolhi ser diminuída e desrespeitada.

Então corrigindo o que eu havia escrito ali em cima: SIM ESCOLHEMOS SER GORDAS. NÃO ESCOLHEMOS SER DIMINUÍDAS E DESRESPEITADAS!

Arrasou mulher! ❤

Anúncios

2 comentários

  1. Eu escolhi ser gorda! Eu poderia ter escolhido ser magra e suar manhãs inteiras para ir contra minha predisposição física e biológica em acumular mais gordura. Mas não, eu me gosto assim! Eu escolhia ser assim e consequentemente ter que enfrentar a cultura vigente se endeusamento de pessoas magras. Repito! Eu escolhi ser gorda, só não escolhi ser diminuída e desrespeitada.

    Curtido por 1 pessoa

Os comentários estão desativados.